fegarusso 08 / 06 / 2020

Esta cidade é grande demais pra nós dois

Publisher: Antonis Pelekanos
Developer: Pelikan13, DANGEN Entertainment
Gênero: Action, Arcade, Fighting (Ação, Arcade, Briga de Rua)
Plataformas: Nintendo Switch, PlayStation 4, Microsoft Windows, Linux, Mac OS Classic

Os jogos de rolagem lateral ultimamente são claramente como ônibus; você espera um baita tempo para que um apareça, e aí chegam dois ao mesmo tempo. Recentemente, fomos abençoados com o tão esperado Streets of Rage 4, uma sequência oficialmente sancionada criada pelas DotEmu, Lizardcube e Guard Crush Games, e apenas algumas semanas depois temos The TakeOver, que - embora não seja oficialmente parte de o universo Streets of Rage - é o mais próximo possível do real. O que é interessante é que esses dois jogos oferecem uma abordagem um pouco diferente, o que faz com que ambos valham a pena jogar.

The TakeOver é desenvolvido pela Pelikan13, o mesmo estúdio que tentou ressuscitar as corridas de arcade ao estilo da SEGA com o Super GT dos anos 90 - um jogo que, no momento em que escrevemos este artigo, está preso no inferno do desenvolvimento do novo proprietário, a Nicalis. Esse jogo estava se transformando em algo bastante especial e era uma verdadeira prova dos talentos do fundador da Pelikan13, Antonis Pelekanos. The TakeOver é melhor descrito como o mesmo tipo de jogo, utilizando Streets of Rage como inspiração; Pelekanos pegou tudo o que conhecemos e amamos na série clássica da SEGA e deu a ele uma camada de tinta moderna, enquanto introduziu algumas idéias novas.

Take Streets Over the Rage

Escolhendo um dos três personagens inicialmente selecionáveis, você deve lutar por uma série de ambientes hostis usando uma combinação de ataques corpo a corpo, armas brancas e armas de fogo. A mecânica principal será instantaneamente familiar para quem já jogou esse tipo de jogo antes; você pode lidar com os inimigos na porrada e jogá-los - assim como pular sobre suas cabeças e jogá-los no chão - e há ataques de arremesso e movimentos super especiais, os quais drenam parte da sua saúde, mas causam danos maciços a vários inimigos ou a um grupo, o que é especialmente bom quando estamos cercados.

O que destaca em The TakeOver é a inclusão de dois botões de ataque - um para soco e outro para chute. Embora você possa criar ataques de combinação automáticos pressionando como um doido qualquer deles, é possível encadear socos e pontapés para criar combos maciços que, se ininterruptos, podem esgotar a barra de vida de um inimigo de uma só vez. O problema é que você raramente fica sem ser molestado por tempo suficiente para concluir todo o ataque, o que torna a administração do espaço ao redor do seu personagem ainda mais importante. The TakeOver rapidamente se torna um exercício extremamente satisfatório de controle de grandes grupos de inimigos usando socos e arremessos (inimigos arremessados se chocam contra os outros, derrubando-os e nos dando espaço e tempo adicionais para controlar a multidão) e encontrando janelas de oportunidade para desencadear combos devastadores.

Existem outras mecânicas únicas introduzidas pelo jogo também. Cada personagem está armado com uma arma que pode ser utilizada com facilidade. No entanto, a munição é sempre escassa, portanto, isso deve ser considerado um último recurso. Felizmente, você ocasionalmente encontrará outras armas de fogo em caixas que são incrivelmente úteis para o controle geral da multidão. Outro sistema exclusivo é o Rage Gauge, que se acumula à medida que você administra ataques e sofre danos. Quando estiver cheio, ao dar um comando, você ganhará um curto período de maior poder e invulnerabilidade. Finalmente, há outro movimento Super e é executado pressionando soco e chute ao mesmo tempo; isso imita o especial 'backup policial' visto no Streets of Rage original, e envolve uma série de projéteis atingindo a tela e eliminando os inimigos.

Você pode rodar duas vezes à esquerda ou à direita - algo ausente em Streets of Rage 4 - e rolar para cima e para baixo na tela tocando duas vezes para cima ou para baixo. Ambos os movimentos estavam presentes em Streets of Rage 3, então os fãs de longa data desse jogo em particular certamente apreciarão sua inclusão. Eles fazem com que The TakeOver pareça mais acelerado e frenético, e a falta de mecânica de malabarismo (aquele lance de jogar o inimigo e bater nele antes que ele toque o solo, algo que também ficou faltando no Streets of Rage 4) significa que você precisará fazer bom uso desses movimentos para sair do perigo rapidamente.

A nata da briga de rua

Todos esses sistemas se reúnem para criar uma experiência de briga que é extremamente divertida e satisfatória, especialmente se você é capaz de jogar com um segundo jogador. Infelizmente, não há jogo on-line - o que é uma pena, pois faz uma diferença e tanto em Streets of Rage 4 -, mas o jogo local é tão divertido quanto você esperaria.

Embora o foco principal do jogo seja naturalmente o combate em fases de rolagem lateral, existem dois níveis de bônus que oferecem alguma variedade bem-vinda. No primeiro você vai pisar fundo atrás do volante de um carro enquanto corre em direção à base inimiga; você está equipado com uma metralhadora que pode ser usada para destruir veículos hostis. A segunda etapa bônus é talvez a coisa mais próxima do clássico After-Burner Climax; amarrado no cockpit de um avião de caça F-15, você pode usar seus mísseis para explodir aeronaves hostis no céu. Ambos os segmentos parecem absolutamente incríveis - e mostram a excelente capacidade técnica do desenvolvedor. Como se pode perceber a Pelikan13 e seu idealizador são fãs incondicionais da SEGA (que aliás poderia dar algumas propriedades intelectuais para a Pelikan13 cuidar).

O modo principal da história exigirá algum esforço para ser concluído, pois se torna bastante complicado no final e exige que você utilize todos os elementos do seu arsenal, mas jogadores dedicados conseguirão terminar o jogo em um único dia, o que deixa a Survival e Modos de desafio meios interessantes para manter esses jogadores ocupados. Sem modo on-line, o apelo do The TakeOver é claramente um pouco limitado, mas há muito mais jogabilidade aqui do que você encontraria em qualquer jogo de briga de rua de rolagem lateral dos anos 80 ou 90, por isso dificilmente pode ser criticado por falta de conteúdo com base em outros exemplos do gênero.

Moda Street

Visualmente, é provável que The TakeOver divida opiniões, o que é um pouco injusto porque, quando desvinculado do legado repleto de pixels dos jogos dos quais se inspira, parece incrível. Tudo roda a 60 fps e o visual é nítido o tempo todo, sem nenhuma ocorrência de desfoque em nenhum momento. Todos os níveis são completamente renderizados em 3D e parecem espetaculares; À medida que caminha, aspectos do ambiente - que vão desde lâmpadas de rua a correntes penduradas - passam perto da câmera de maneira realista, e os estágios têm uma sensação genuína de profundidade e escala. Os reflexos são lançados de forma convincente em poças d'água e em pisos polidos, enquanto ataques fortes fazem com que objetos soltos, como caixas e letreiros balançando, se sacudam e se movam.

Os sprites, no entanto, são personagens planos renderizados em CGI, e nós imaginamos que isso causará alguma consternação para os fãs hardcore do gênero - assim como as pessoas tiveram problemas com o visual pesado de CG de Raging Justice. O uso desses modelos é uma bênção e uma maldição; eles parecem sólidos e são convincentes de uma maneira do tipo falso-3D e são mais ricos em detalhes do que o seu sprite 2D típico, mas também exibem uma aparência brilhante e plástica e muitos dos inimigos são sobrecarregados com uma animação estranha que faz com que pareçam mais bonecos de stop motion do que personagens de games (Clayfighters mandou um abraço). No geral, porém, o jogo parece ótimo, mas podemos entender completamente por que algumas pessoas podem não gostar dos modelos de personagens.

Nos níveis intermediários, a história é expandida usando uma série de cenas animadas em quadrinhos que são ilustradas em um estilo visual completamente diferente do jogo principal (e a arte mostrada na tela de título do jogo). Eles são muito alegres por natureza e vêm com algum diálogo divertido e espirituoso, mas é uma pena que eles não tenham a coesão presente em Streets of Rage 4, que tinha uma visão artística única para todo o pacote. Ainda assim, essa é uma queixa muito menor e você pode pular as cenas, se desejar.

Em termos de áudio, o elenco do jogo é bastante vocal e fará comentários divertidos, mesmo para as tarefas mais comuns, como pegar dinheiro abandonado, o que aumenta sua pontuação. O combate é acompanhado por pancadas e golpes realistas, mas é a música que realmente rouba o show aqui. Assim como ele fez com Streets of Rage 4, o lendário Yuzo Koshiro contribui para a trilha sonora do The TakeOver, que é uma mistura de batidas no estilo techno e guitarras fortes e distorcidas. Talvez não tenha a natureza inventiva da música de Streets of Rage 4, mas mesmo assim parece o acompanhamento perfeito para a ação na tela.

Conclusão

A pergunta óbvia ao analisar o The TakeOver é como ele se compara ao Streets of Rage 4, e temos o prazer de informar que vale tanto o seu tempo quanto o dinheiro, mesmo que não haja jogo on-line e alguns dos polimentos extras que as icônicas DotEmu, Lizardcube e Guard Crush Games deram à última entrada de Streets of Rage. Alguns jogadores, sem dúvida, terão problemas com os sprites no estilo CG, mas todos os outros aspectos deste pacote se destacam e apreciamos especialmente os dois estágios bônus, que parecem cartas de amor para outros clássicos da SEGA. The TakeOver oferece uma alternativa atraente e viciante para Streets of Rage 4, e qualquer fã que se preze do gênero não deve hesitar em pegar ambos os games. É diversão garantida.