fegarusso 25 / 11 / 2019

Publisher: Microsoft
Developer: Moon Studios
Gênero: Action, Platformer (Ação, Plataforma)
Plataformas: Nintendo Switch, Xbox One, Microsoft Windows

Uma luz no fim do túnel

Houve um tempo em que um port de um exclusivo para um formato rival seria completamente inédito. Impensável, até! No entanto, uma bizarra cadeia de eventos faz com que a Microsoft Studios lançasse vários jogos para o nosso amado Switch, incluindo Minecraft e, surpreendentemente, até Cuphead. Embora a Microsoft tenha minimizado a possibilidade de futuros títulos tomarem o mesmo rumo, estamos felizes em ver que o aclamado Ori and the Blind Forest de 2015 faz a jornada para o dispositivo híbrido da Nintendo.

Ori And The Blind Forest tem uma história um pouco incomum. Consiste em um jogo de plataformas não linear (ou 'Metroidvania', como dizem por aí. Ou ainda, menos comum, mas correto 'Castleroid') da Moon Studios, com sede na Áustria. O desenvolvimento inicial foi liderado por membros da equipe espalhados por todo o mundo, muitos dos quais nem se conheciam até a E3 de 2014. Apesar disso, o trabalho deles impressionou a Microsoft desde o início a qual não hesitou em assinar um contrato de publicação. Apesar de um desenvolvimento longo e único, o jogo foi bem recebido quando foi lançado inicialmente no Xbox One em 2015, com a única vítima no caminho sendo uma versão do Xbox 360. A equipe falou sobre o quanto O Rei Leão e O Gigante de Ferro foram enormes inspirações, mas há tons definitivos do melhor do Team Ico na maneira em como o jogo enfatiza o desenvolvimento de seu personagem principal e o relacionamento do jogador com ele. É o foco no Ori que torna este jogo tão especial.

Sendo um Metroidvania, a estrutura do jogo deve ser familiar para a maioria das pessoas. Os jogadores são presenteados com um mundo completo que é fundamentalmente não linear, mas ele é bloqueado em algumas partes e requer que o jogador obtenha várias habilidades ao longo do jogo para acessar novas áreas. Essas habilidades vão desde os conjuntos mais tradicionais de habilidades, como um 'salto duplo' para alcançar lugares altos demais para saltar normalmente, até poderes que pode ser usados para derrubar barreiras para que os jogadores possam progredir.

Estes tornam-se mais variados à medida que os jogadores progridem no jogo, e também mais difíceis de executar. O jogo é livre de telas de carregamento, apresentando o mundo como um todo contínuo. Até os pontos de distorção são cuidadosamente projetados para não fazer o jogador sentir que realmente deixou o mundo do jogo. Os jogadores podem retornar às áreas anteriores, uma vez que tenham obtido novas habilidades, a fim de acessar partes que antes eram inacessíveis, com o jogo controlando o quanto de cada área foi concluída para aqueles que desejam a classificação de 100%.

Camadas e mais camadas

O que torna Ori And The Blind Forest tão especial é a sua apresentação. Revelando um mundo de cores escuras contrastando com um tom muito mais claro, este jogo é candidato ao mais bonito jogo de plataforma 2D de todos os tempos. Quando nós, velhos rabugentos, reclamamos que o mainstream dos jogos 2D terminou uma ou duas gerações muito cedo, esse jogo é exatamente o exemplo do que estamos falando. Não apenas existe uma quantidade densa e obsessiva de detalhes no mundo, mas tudo isso é apoiado por uma animação extremamente fluida.

Um toque realmente agradável é a camada de primeiro plano que é usada ocasionalmente na frente do campo do jogo principal, obscurecida pelo efeito de profundidade de campo. Nem sempre está lá e é usado ocasionalmente para chamar a atenção do jogador sem que o próprio Ori perceba o que está acontecendo. Isso serve não apenas para enfatizar que o jogador não é realmente Ori, mas, ao contrário, está assistindo sua história, mas também que o jogador não está sozinho na visualização dos eventos, pois sombras curiosas aparecem na frente do jogador, sem serem vistas pelo protagonista, anunciando o que é ainda está por vir.

Esse cuidado e consideração são fundamentais em como a história é apresentada ao jogador e é fundamental para encantar as pessoas e atraí-las para o mundo, e é um enorme contraste em como a história pode ser lançada de maneira desajeitada sobre o jogador em jogos semelhantes. Tudo isso é apoiado por uma partitura musical fantástica, que é tão atmosférica quanto você pode esperar desse tipo de jogo, mas também responde aos eventos do jogo com precisão. Nas ocasiões em que um desastre acontece e Ori precisa correr pela vida, a música aumenta o ritmo e aumenta a sensação de pânico e perigo iminente. É claro que houve uma estreita colaboração entre toda a equipe de desenvolvimento; a música nunca parece simplesmente jogada ali como enfeite, mas parte integrante e fundamental do game.

Leve como deve ser

Porém, tudo seria inútil se a jogabilidade não fosse boa, mas Ori And The Blind Forest também é uma alegria de se jogar. Inspirando-se em Rayman mais recentes da Ubisoft, tudo parece suave e fluido, mas também preciso e intrincado. O jogo certamente pode ser desafiador, mas nunca parece que você está lutando com os controles para fazer Ori fazer o que você quer que ele faça. Essa sensação de ter controle total sobre o personagem é fundamental para garantir que o desafio do jogo nunca se torne frustrante, pois Ori And The Blind Forest sempre garante que o jogador sinta que PODE fazê-lo; esta lá, tudo ao seu alcance, você só precisa tentar mais uma vez.

O jogo tem um sistema de salvamento aparentemente projetado para acomodar essa perspectiva. O generoso sistema de salvamento da Ori And The Blind Forest consiste em pontos salvos em conjunto com o jogador capaz de criar um ponto de salvamento personalizado (chamado de 'elo da alma') a qualquer momento, desde que tenham células de energia suficientes. Naturalmente, os jogadores criarão um novo elo de alma antes de qualquer área potencialmente difícil. Talvez o único problema real aqui seja a aparente falta de recurso de carregamento rápido, o que significa que os jogadores podem achar mais fácil matar Ori depois de fazer um salto errado, em vez de voltarem para o ponto de salvamento a pé. É algo que falta no game, mas não atrapalha grandemente. Ori And The Blind Forest desafia os jogadores a continuar tentando a melhorar sem que isso pareça repetição forçada. O senso de recompensa é palpável.

Perfeito. Menos pelos Joy-Con.

No lado técnico, essa parece ser uma conversão totalmente perfeita do Xbox One. De fato, a animação foi realmente aprimorada em relação à versão original. Pode não parecer grande coisa que até o Switch consiga lidar com um jogo 2D fundamental, mas há um pouco mais a considerar. Ori And The Blind Forest funciona com a engine Unity, que tem um histórico de problemas de desempenho no dispositivo da Nintendo. Essa foi uma das razões pelas quais Yooka-Laylee demorou tanto para chegar ao híbrido e também porque RiME não saiu tão bem. Com isso em mente, a equipe fez um excelente trabalho para que o jogo funcionasse perfeitamente, sem quedas notáveis ​​no desempenho.

Ori And The Blind Forest até faz login na sua conta da Microsoft - a mesma usada no Xbox, e pode ser estranho ver o ícone do Xbox na tela de título. Isso não se traduz em conquistas do Xbox no entanto, embora o jogo tenha seu próprio sistema de conquistas. A única questão técnica real é, na verdade, os próprios Joy-Con. Não é apenas um jogo 2D, mas também um jogo de precisão. Nem o stick analógico nem o conjunto de botões no lugar de um D-Pad são ideais. Isso poderia ser uma desculpa para adquirir o excelente D-Pad Joy-Con da Hori para pessoas que pretendem jogar no modo portátil em um Switch original, ou em um controle adequado se você for jogar em modo docked. O Switch em seu modo portátil de reprodução é sem dúvida a maneira perfeita de se jogar Ori And The Blind Forest, mas é recomendável usar algo melhor que os Joy-Con padrão.

Conclusão

O que temos aqui é um port impecável de um jogo que merece absolutamente todos os elogios que recebeu. Do início ao fim, Ori And The Blind Forest é um verdadeiro deleite. Desafiador, mas nunca injusto ou desanimador. O estilo artístico hipnotizante e as músicas são a cereja no topo do bolo que faz o jogador realmente se importar com o protagonista e querer continuar jogando até a conclusão do jogo. É uma surpresa ver esse jogo chegar ao Nintendo Switch, ainda mais com tamanha qualidade e dados os problemas da engine do game com o híbrido da BigN. A única vergonha é que a sequência parece improvável de fazer a mesma jornada. Mas mesmo assim, o jogo original ainda é algo tão fantástico, que vale a pena.