fegarusso 21 / 09 / 2019

Publisher: Focus Home Interactive
Developer: Spiders Studio
Gênero: Ação/ RPG
Plataformas: Playstation 4/ XBox One/ PC

A terceira tentativa é a que conta

O estúdio Spiders tem andado bem ocupado nesta geração. A desenvolvedora francesa lançou dois títulos de role-playing até agora: Bound by Flame em 2014 e The Technomancer em 2016. Ambos os jogos tiveram algumas idéias legais e uma sensação única, mas, no fim, foram decepcionantes e atrapalhados grandemente pela mecânica de jogabilidade instável e uma narrativa fraca e atrofiada. Há uma centelha de algo maior no coração da produção da Spiders - mas até o momento, ela foi sufocada e não havia surgido.

Dizemos até agora porque GreedFall é sem dúvida o melhor título do estúdio até hoje. Na terceira tentativa, a desenvolvedora finalmente aliou sua paixão por fantasia e contos estranhos a uma base sólida de jogabilidade. GreedFall é maior que seus antecessores, e também muito mais consistente em tom e estrutura - poderia muito bem ser o lançamento da Spiders.

Quando se trata de RPGs de ação ocidentais, são surpreendentemente pequenas as opções disponíveis, com alguma qualidade, nesta geração, e GreedFall parece preencher essa lacuna no mundo pós-Witcher 3. O jogo tem muito em comum com Dragon Age: Inquisition: combate baseado em grupos, diálogo baseado em escolhas, ênfase nas classes de personagens e fabricação de equipamentos. Também favorece zonas grandes e separadas em um grande mapa aberto. Mas, diferentemente de Inquisition, GreedFall não é sobrecarregado por inúmeras missões de busca e objetivos diversos - é uma experiência bem organizada do início ao fim.

Em missão diplomática

Você joga como De Sardet, uma espécie de diplomata encarregado de estabelecer a ordem em uma ilha quase indomável. Longe dos problemas do continente - que incluem uma praga bastante desagradável -, a ilha de Teer Fradee pode parecer um paraíso à primeira vista, mas não demora muito para que De Sardet e seus amigos percebam que as tensões entre as nações em guerra e os nativos da ilha estão no auge e prestes a explodir. Naturalmente, é seu trabalho tentar fazer com que todos se entendam.

Como sugerido, De Sardet pode ser homem ou mulher, e você começa a mexer com algumas personalizações básicas de personagens logo no início da história. No entanto, De Sardet não é alguém com quem possamos criar verdadeiros vínculos. A personalidade da personagem está praticamente definida desde o início, e não há oportunidades reais para reformulá-la - você cumpre bem seu dever diplomático ou o estraga, sem meios termos.

De fato, as escolhas significativas de diálogo são poucas e distantes entre si. Na maioria das vezes, você simplesmente seleciona perguntas de uma lista ao conversar, com De Sardet decidindo o tom por si. Para um RPG que claramente está tentando entrar no território da BioWare, é decepcionante que apenas alguns eventos importantes apresentem a você opções de escolha e as conseqüências reais delas.

Sim ou não. Não há opção.

Tudo isso dito, ainda há role-playing a ser encontrado aqui, especificamente em como você constrói De Sardet. Investir em características como carisma ou intuição, por exemplo, permite opções de diálogo que podem alterar o resultado das missões. Mas, na verdade, essas não parecem escolhas quando representam a conclusão ideal. Inúmeras missões terminam em derramamento de sangue (ruim) ou negociação bem-sucedida (boa). É preto e branco com muita frequência, quando o mundo em si é feito muito mais de tons de cinza. Falta o tom dos diálogos de The Witcher, onde não raro devemos escolher entre o ruim e o ruim, e arcar com as consequências de nossas escolhas na história.

Agora não nos entenda mal, os fãs de RPG ainda vão encontrar muitas coisas para gostar neste game. Há satisfação em resolver um impasse entre fanáticos religiosos e nativos enraivecidos, mas apenas desejamos que houvesse um pouco mais de profundidade além de colocar todos os nossos pontos de habilidade em carisma e aguardar que algo seja mudado.

Um mundo a se explorar

A máxima do Role Playing, que é interpretar papéis, fica um pouco aquém do esperado, mas GreedFall se dá bem com a construção do mundo. É um cenário de fantasia intrigante, inspirado na colonização européia, completa com mosquetes, roupas com babados e pêlos faciais. Na melhor das hipóteses, é um cenário fascinante que exala caráter - é único pelas razões certas.

As facções que habitam este mundo também fazem um excelente trabalho. A Bridge Alliance, de espírito científico, está se chocando com os Theleme, uma nação profundamente piedosa (e violenta) construída com base nos ensinamentos de um santo. Enquanto isso, os nativos de Teer Fradee adoram a natureza e, como você pode imaginar, muitos deles não estão muito felizes em ver sua casa ser invadida e desmatada por pessoas de fora. Embora a dinâmica entre as três principais facções possa ser previsível (e é), ainda é um triângulo finamente equilibrado que faz você questionar onde está sua lealdade.

Com companheiros ao lado

Da mesma forma, o elenco principal de personagens do jogo é razoavelmente forte. Eles não têm uma profundidade enorme, mas todos os seus companheiros têm suas peculiaridades, e conhecê-los é um destaque. De fato, muitas das missões secundárias do título são publicadas por seus amigos, oferecendo a você uma visão do caráter deles, bem como das organizações das quais fazem parte.

Com um elenco decente e uma boa construção de mundo, a história de GreedFall tem tudo o que precisa para ter sucesso, mas partes inteiras do jogo são dificultadas por textos e conversas monótonas. Não é um rompimento propriamente dito, mas o diálogo costuma se tornar um ruído de fundo, de tão insignificante. O problema é que quase não há humor em GreedFall. Tudo e todos estão um pouco zangados, um pouco descontentes, sem qualquer sabor distinto. Personagens menores zumbem sem parar por alguns minutos sobre seus problemas e, embora geralmente sejam bem-sucedidos ao chamar sua atenção, dado o tempo, é difícil prestar atenção nos diálogos e NPCs quando tudo é tão tedioso. Para piorar as coisas, várias missões secundárias fazem você repetir conversas algumas vezes, ouvindo absolutamente tudo o que o NPC tem a dizer antes que você possa progredir. Pode ser entorpecedor, e é algo que certamente não é ajudado pela completa falta de música de fundo ou ruído ambiente durante o diálogo.

Às armas, soldados!

Mas calma, nem tudo está perdido - este é um RPG de ação por um motivo. GreedFall tem o melhor combate de qualquer jogo publicado pela Spiders - isso está imediatamente claro. É surpreendentemente responsivo, com foco em combos básicos, habilidades especiais e técnicas evasivas. Aparar ataques também é um recurso importante e realmente é útil quando você precisa abrir a defesa de um inimigo particularmente agressivo. As batalhas tendem a ser rápidas e envolventes, e alguns hits pesados ​​podem fazer você consumir poções de cura como louco.

Sim, GreedFall pode ser um desafio às vezes. Nossa única reclamação é que seus companheiros, por mais competentes que sejam, parecem ter dificuldades contra certos chefes fortes. Alguns ataques parecem atordoar seus aliados - ou, sabe-se lá o porque, ele se torna repentinamente estúpido demais para fugir ou esquivar. Nas dificuldades mais altas, isso é especialmente perceptível, e os inimigos podem ser tão mortais que não ter seus amigos em seu apoio quase garante um Game Over. É um aborrecimento, mas esperamos que a IA seja ajustada após o lançamento.

O combate é basicamente bom, e é reforçado pelos diferentes estilos de luta dentre os quais você pode alternar em tempo real. Armas de uma mão, armas de duas mãos, armas de fogo, armadilhas e magia são todas opções válidas, e você pode misturar e combinar todo esse arsenal da maneira que quiser através da árvore de habilidades de De Sardet. Não é o sistema de progressão mais profundo do mercado, mas é bem equilibrado; esmagar um oponente fortemente blindado com um machado pesado é satisfatório, enquanto correr pelo campo de batalha disparando explosões mágicas é bastante fluido. Não é um Dragon's Dogma, ou um Monster Hunter nem, tampouco um Dark Souls, mas é infinitamente melhor do que o que a Spiders conseguiu antes.

Desempenho bom

Sabe outra coisa que evoluiu bem? O desempenho de GreedFall. Ao contrário de The Technomancer, GreedFall funciona muito, muito bem no PS4 Pro. Os tempos de carregamento são rápidos e quase não caem um quadro, resultando em uma experiência impressionante. Concordamos que não, não é um lançamento incrível (mesmo que sua direção de arte seja realmente legal), mas é impecável em algumas partes, deixando alguns pequenos erros gráficos de lado.

Conclusão

GreedFall é o melhor jogo da Spiders com toda a certeza, e é impressionante o quão longe o desenvolvedor chegou em apenas alguns anos. Ele arranha com sucesso o território já conquistado pela BioWare com um mundo intrigante, personagens agradáveis ​​e uma jogabilidade sólida. No entanto, além de sua configuração única, nada sobre GreedFall realmente se destaca. Seu combate é bom, mas não ótimo, seu role-playing é ótimo, mas enfraquecido, e sua escrita é competente, mas muitas e muitas vezes às vezes chata. GreedFall está bem próximo de ser algo especial, chegou muito perto mesmo da linha tênue que o destacaria como um jogo de proporções épicas, não fossem as falhas em sua execução. Os fãs de RPG vão gostar muito, mas não esperem que essa seja a próxima obra-prima do gênero. Encarem como um bom passa tempo, divertido, bom, mas longe de ser marcante.