fegarusso 14 / 05 / 2020

Na Teoria, deveria ser bom. Mas não é muito Ninja.

Publisher: Xbox Game Studios
Developer: Ninja Theory
Gênero: Multiplayer online battle arena, Beat 'em up (Arena Multiplayer Online, Briga de Rua)
Plataformas: Xbox One, Microsoft Windows

Uma proposta interessante

Dado que a Ninja Theory se estabeleceu como um estúdio com pedigree com seus jogos fantásticos para um jogador, é interessante que seu último título seja um multiplayer online. Com o extraordinário Hellblade: Senua's Sacrifice ainda na mente de muitos jogadores, Bleeding Edge é uma virada completa em termos de tom: um jogo de ação colorido e exagerado, com ênfase em um estranho e quase macabro senso de humor.

É essencialmente a resposta da Ninja Theory para Overwatch, mas existe apenas um problema: é a resposta a uma pergunta que ninguém realmente fez e o resultado é bastante assombroso, apesar de sua tentativa de tornar as coisas interessantes, concentrando-se mais no combate corpo a corpo do que no tiroteio.

Situado no ano de 2057, Bleeding Edge coloca duas equipes de quatro players uma contra a outra em uma série de diferentes tipos de batalha. E quando dizemos "uma série", queremos dizer duas na verdade. Infelizmente, existem apenas alguns modos para jogar, e o jogo escolhe um aleatório para você toda vez que você entra em uma partida.

Os modos de sofrimento

O primeiro deles é o Objective Control, que é uma abordagem elaborada do King of the Hill. Três pontos são espalhados pelo mapa e, em fases regulares, alguns se acendem. O objetivo é "reivindicar" esses pontos ativos, permanecendo neles até que vire a sua cor e depois defendê-los dos oponentes que se aproximam. Você ganha um ponto por cada segundo em que reivindica um ponto, e quem atingir 600 primeiro ganha.

O outro modo (e sem dúvida o mais fraco dos dois) é o Power Collection. É semelhante ao Objective Control, mas também inclui alguns elementos do Capture the Flag: um monte de cápsulas aparece no cenário e você e sua equipe precisam reunir o maior número possível dentro de um tempo fixo. Depois que o tempo acabar, você precisará levá-los para pontos de acesso e ficar lá por um tempo até que sejam adicionados aos seus pontos. Naturalmente, porém, os inimigos podem matá-lo e tirar suas cápsulas de você.

Ambos os modos ocorrem em cinco mapas diferentes, que também são escolhidos aleatoriamente antes de cada batalha. Seus layouts são bem projetados, mas eles não têm inspiração visual. Além do estranho e perigoso risco natural em cada estágio - um par de trens viajando por um, cercas elétricas em outro e similares - é difícil imaginar jogadores gostando de algum mapa específico, como fazem em outros jogos com bases de fãs dedicadas.

A força real

A força de Bleeding Edge não reside na diversidade de seus modos de jogo, mas na diversidade de sua lista de personagens. Cada um dos 11 personagens jogáveis ​​tem algum tipo de aprimoramento cibernético e, embora alguns sejam mais atraentes do que outros, você certamente não pode acusá-los de serem chatos.

Veja Nidhoggr, uma estrela norueguesa do death metal que anda por aí com uma guitarra elétrica, que pode facilmente disparar eletricidade real nos oponentes. No verdadeiro estilo de guitarrista, um de seus ataques especiais o faz deslizar pelo chão de joelhos, dando dano em qualquer um que ele acerte. Cass, enquanto isso, é um ex-dançarino russo que ficou paralisado após uma cirurgia fracassada e agora tem pernas de frango cibernéticas.

O melhor do grupo, no entanto - de uma perspectiva de design, se não necessariamente de uma perspectiva de jogo - é Kulev. Quando um cientista britânico morreu, ele solicitou que sua alma fosse digitalizada e implantada em uma cobra robô: essa cobra se enrolou no corpo do professor e o está fazendo correr como se ainda estivesse vivo: vê-lo tropeçar é uma alegria absoluta.

A equipe, o time, as lendas

Embora estejam divididos em três categorias principais - dano, suporte e tanque - cada personagem joga de maneira muito diferente. Encontrar o que melhor se adapta ao seu estilo pode demorar um pouco, mas o jogo recomenda personagens em cada categoria que possam ser mais fáceis de entender para os novatos. A grande diversidade de estilos pode levar a alguns problemas de equilíbrio, com algumas combinações favorecendo fortemente certos personagens.

O foco pode estar no combate corpo a corpo (não é surpreendente, considerando o trabalho passado da Ninja Theory), mas vários personagens têm ataques à distância. Eles não possuem uma mira como na maioria dos jogos de terceira pessoa; eles se prendem aos inimigos e os acertam automaticamente. Isso pode tornar o tiroteio fácil, mas ele vem com um grande porém, já que ataques à distância são geralmente mais fracos do que ataques corpo a corpo, o que significa que aqueles dispostos a sujar as mãos são capazes de derrotar os adversários mais rapidamente.

Tudo isso se combina com um título que claramente tem potencial, mas falha em alcançá-lo, por agora, pelo menos. Os personagens podem ser malucos e interessantes e o combate pode ser relativamente divertido, mas eles não são suficientes para levar o jogo sozinhos, não quando há uma falta de conteúdo tão decepcionante. Em apenas duas ou três horas, já sentíamos que tínhamos visto tudo o que o jogo tinha para oferecer, e a capacidade de desbloquear mods (que na maioria são de aumento de estatísticas) e novas skins (que são apenas coloridas) ao subir de nível falharam em nos manter jogando. Acaba não sendo, nem de longe, fazendo frente para o sucesso da Blizzard.

Poderia ser incrível

Há muito espaço aqui para que o Bleeding Edge se torne um jogo brilhante. As fundações são sólidas e a Ninja Theory já confirmou que teremos diversas atualizações. Enquanto o estúdio continuar a apoiar o jogo ele pode eventualmente se transformar em algo bem especial. Neste ponto, porém, parece mais que jogávamos um beta do que um produto acabado.

Tudo ficaria bem se fosse um jogo grátis, não seríamos tão exigentes, mas embora sua presença no Xbox Game Pass possa ter levado alguns a acreditar erroneamente que é esse o caso, na verdade, é um título pago. Qualquer pessoa que gastar dinheiro em um jogo apenas para descobrir que contém dois tipos de modos e cinco mapas certamente se sentirá decepcionada. Essa é uma das poucas ocasiões em que as mecânicas usuais de 'jogo como serviço', como as temporadas, são realmente bem-vindas, apenas para dar aos jogadores uma razão para iniciar o jogo todos os dias. Como é o jogo agora, nenhum dos dois tipos de modo é particularmente atraente e não há outras opções disponíveis para impedir que as coisas pareçam repetitivas rapidamente demais.

Conclusão

Com combate sólido e alguns designs de personagens brilhantes, Bleeding Edge tem todo o potencial para se tornar um jogo de ação online sólido e atraente. Infelizmente, porém, é tudo o que há no momento: potencial. O que existe é bom, mas não há conteúdo suficiente para manter o interesse dos jogadores por um longo período.