fegarusso 10 / 07 / 2020

Deus salve a rainha

Publisher: Ubisoft
Developer: Ubisoft Quebec
Gênero: Action, Adventure (Ação, Aventura)
Plataformas: Microsoft Windows, PlayStation 4, Xbox One

Melhor que na França...

Sim, é um Assassin's Creed melhor que Assassin's Creed: Unity. A brincadeira da Ubisoft através da revolucionária Paris foi uma imensa porcaria, então a editora teve pouca margem de erro com o Assassin's Creed Syndicate. Mas embora a transposição da matança secreta para as ruas de paralelepípedos da velha Inglaterra tenha reforçado seu desempenho técnico, ainda existem sérios problemas de design com essa incursão um tanto quanto manjada.

O ano é 1868 e a Inglaterra é dominada pelos avanços da Revolução Industrial. No topo da escada está Crawford Starrick, um magnata do telégrafo - e Templário, é claro - com um corte de cabelo desagradável e um olhar trêmulo. Ele governa a capital com um punho de ferro, oprimindo a classe trabalhadora para promover seu próprio ganho financeiro (tipo o que se faz hoje, mas antigamente) e é sua missão acabar com aquele bigode ridículo e derrubá-lo.

Você fará isso como Jacob e Evie Frye, irmãos britânicos que por acaso também são mestres assassinos. Esta é a primeira vez que um jogo de Assassin's Creed permite que você mude de protagonista em tempo real, e enquanto a metade masculina da dupla é extremamente clichê quanto os personagens de videogame podem ser, nós gostamos bastante da natureza mandona e barulhenta de sua co-estrela sardenta, a metade feminina da dupla, que obtém, infelizmente, menos destaque na campanha.

... mas ainda pior que na Itália

Porém, nenhum dos novatos é tão interessante quanto Ezio Auditore, e a história realmente luta para se estabelecer. Rostos famosos surgem ao longo da ficção, é claro, mas é improvável que as aparições fugazes da rainha Victoria, Charles Darwin, Karl Marx, Florence Nightingale e afins envolvam até os mais ardentes dos vitorianos. No final, você simplesmente matará nos vários setores do establishment inglês - seja política, transporte ou finanças.

Atrapalhando o seu progresso estarão os Blighters, um grupo de brutos empregados por Starrick para proteger seus muitos empreendimentos comerciais. Esses bandidos formam sua principal fonte de oposição durante o jogo, mas a polícia e os guardas reais também causam dores de cabeça. Felizmente, à medida que avança, você começará a recrutar membros para o seu próprio grupo renegado chamado Rooks, e a presença desses rebeldes aumentará nas ruas conforme você gradualmente adquire território de seus inimigos.

Afinal, este é um jogo da Ubisoft, portanto, espere escalar muitas torres para desbloquear missões secundárias no seu mini-mapa. Londres está dividida em vários distritos - Whitechapel, Westminster e assim por diante - e cada um desses distritos inclui montes de atividades pouco diversas. Libere tudo isso e você desbloqueia uma Guerra de Gangues, que permitirá aos Rooks assumir o controle de todo o setor.

Reciclagem pura

Não é uma estrutura ruim - a editora não a reciclaria se fosse - mas é tão previsível quanto poderia. Outro problema é que as missões secundárias não são tão divertidas: libertar crianças de fábricas perigosas pode parecer uma busca honrosa, mas fica chato após a décima vez. Junte isso ao vasto número de colecionáveis ​​- mais de 700 no total - e você pode acabar se sentindo bem anti-Oliver Twist. Podíamos ter menos? Sim. Missões mais interessantes e melhor elaboradas? Sim. Teríamos um cenário perfeito pra isso? Sim. Mas pra que, né?

Isso não quer dizer que o loop principal seja ruim - apenas perdeu um pouco sua identidade. De muitas maneiras, isso parece uma mega mistura de todos os jogos de Assassin's Creed que vieram antes: a posição furtiva de Unity está de volta, a mecânica do DLC The Dead Kings está presente e o sistema de suporte de Brotherhood está aqui. Inclusive o combate veicular de Black Flag - embora em carroças e não em barcos desta vez. Existem sistemas sobre sistemas sobre sistemas. E nenhum tem personalidade.

Às vezes isso contribui para algumas missões realmente dinâmicas: um gancho no estilo Batman: Arkham Knight permite escalar edifícios em tempo recorde, enquanto o Eagle Vision permite explorar seus adversários de maneira semelhante a Metal Gear Solid V: The Phantom Pain. Mas enquanto tudo funciona intuitivamente, é difícil abalar a sensação de que Assassin's Creed não sabe mais o que é; os princípios básicos de se esconder entre as multidões e de subir colossais edifícios artificiais parecem perdidos e tudo parece muito sem graça.

Falta de identidade

O sistema de upgrades resume a complexidade desnecessária do jogo. Como nas entradas recentes, você terá uma base - desta vez um trem, que se move dinamicamente pela cidade - onde você acumulará uma renda regular. Mas dinheiro não é suficiente neste jogo, pois você também precisará de recursos - como couro e ouro - para adquirir novas habilidades para os Rooks. Isso pode ser adquirido ao abrir caixas ou seqüestrar carruagens - mas, é claro, também existem microtransações.

Pior ainda, os desbloqueios parecem construídos para reduzir a irritação, em vez de realmente mudar a maneira como se joga. Você pode desembolsar £ 6.000 ou mais para impedir que os Blighters lutem com você na rua, ou você pode investir seu XP - que é outro medidor para acompanhar - na capacidade de saquear automaticamente corpos assassinados. É quase como se o jogo o recompensasse por progredir cortando parte do joio - mas é discutível se essa gordura deve estar lá em primeiro lugar.

Pelo menos o combate é satisfatório. Existem três tipos diferentes de armas para você usar, além da lâmina oculta, e você desbloqueia gradualmente opções mais poderosas à medida que sobe de nível e obtém mais dinheiro. O combate ainda é o mesmo sistema baseado em contra-ataque, mas é mais rápido e mais ágil - mesmo que alguns tipos de inimigos o forçarem a repetir loops de animação mais do que você provavelmente gostaria.

Vivemos nas sombras... mas não

A furtividade, no entanto, é realmente simplista. Há um apelo à natureza da morte cerebral da inteligência artificial, é claro - mas pode quebrar a imersão às vezes. Em uma missão, matamos sete ou mais guardas os quais protegiam nosso alvo, e o criminoso sequer pensou em questionar por que seu exército estava sem vida no chão com adagas de aço saindo de seus crânios.

Muitos dos objetivos seguem essa trajetória, mas gostamos muito das tarefas no estilo Hitman. Isso lhe dá várias oportunidades diferentes de se infiltrar no seu alvo e, embora existam muito poucas, é realmente emocionante sentir que você está arquitetando seu próprio tipo de assassinato. Sem nos afastarmos muito do assunto em questão, acreditamos que a Ubisoft deveria basear toda a série em torno deste sistema, caso desse um passo atrás e decidisse reiniciar a série.

Londres é um cenário denso - o Tamisa, que só pode ser percorrido pulando entre barcos em movimento, é um destaque em particular - mas mesmo que os bugs sejam reduzidos ao mínimo e a taxa de quadros muito raramente sejam problema, há um ar de familiaridade permeando a experiência inteira que fará com que você sinta que já viu tudo isso antes.

Conclusão

Muito parecido com a cidade vitoriana em que se baseia, você não precisa se aprofundar em Assassin's Creed: Syndicate para identificar seus problemas. O loop principal de jogabilidade é sólido e é construído sobre uma estrutura sonora bacana, mas a familiaridade das missões e o preenchimento de tempo com coisas desnecessárias e tediosas diminuem o apelo desse passeio pelo mundo inglês. O desempenho aprimorado e a apresentação significam que Londres tem vida, mas foi mal aproveitada. Desde Unity, talvez antes até, a série vem perdendo suas principais características e caminha pra ser ou mais do mesmo, ou uma série genérica que poderia carregar qualquer nome, mas carregará a alcunha de Assassin's Creed para fins puramente comerciai$.