fegarusso 31 / 08 / 2020

Ratos me mordam

Publisher: Focus Home Interactive
Developer: Asobo Studio
Gênero: Ação-aventura, Stealth
Plataformas: PlayStation 4, Xbox One, Microsoft Windows.

Você é um jogo ou um rato?

A Plague Tale: Innocence é um jogo sem um orçamento robusto. A Focus Home Interactive pode não ser uma favorita dos jogadores, mas com propriedades originais ambiciosas como Vampyr e The Council, ela tem orgulhosamente hasteado a bandeira para experiências de um jogador baseadas em história. A traquinagem gótica medieval da Asobo é mais um aceno nessa direção, mas é uma propriedade intelectual que luta como um rato ou seria só um camundonguinho sem muita importância?

Situado na França do século 14 durante os estágios iniciais da Guerra dos Cem Anos, você joga como a filha adolescente de um nobre chamada Amicia, que acaba sendo a guardiã principal de seu irmão doente, Hugo, enquanto a dupla atravessa sua terra natal devastada pela Peste Negra em busca de uma cura. É uma premissa emocionante, e uma narrativa linda desfeita apenas por uma dublagem de me#$a que mata um roteiro outrora emocionante.

The last of rats

A jogabilidade segue dicas tais como The Last of Us, embora seja muito mais simples. Você vai gastar muito do seu tempo valsando em cenários lindos e grotescos e recolhendo materiais de artesanato que podem ser usados ​​em misturas alquímicas. O combate é relativamente limitado, então você usará principalmente um estilingue atualizável para distrair os guardas e abrir novos caminhos.

O jogo está no seu melhor momento quando você é confrontado com uma miríade de ratos sedentos de sangue, que irão matá-lo se você se afastar de uma fonte de luz. Essas sequências evoluem efetivamente para quebra-cabeças extensos, onde você deve usar todas as suas habilidades para criar uma passagem segura através dos roedores. Às vezes, isso envolverá uma isca; outras vezes, você precisará gravar caminhos e assim por diante.

O título faz um trabalho admirável ao misturar a mecânica existente para introduzir novos puzzles ao longo de seu tempo de execução. Com uma campanha chegando à marca de 15 horas, você se verá revirando os olhos enquanto tropeça em mais uma sequência de furtividade alongada ou evasão de ratos; fica repetitivo, mesmo se os quebra-cabeças e cenários mudarem.

Problemas de personalidade

Além disso, a aventura não sabe bem o que quer ser. Há um aspecto quase educacional na forma como a trama se desenrola, submergindo você em um período sombrio da história que não recebe uma quantidade enorme de tempo de exibição. Ao mesmo tempo, ele simplesmente não consegue resistir a flertar desnecessariamente com o sobrenatural - quase como se os escritores não pudessem se conter.

Mas talvez o mais desapontador seja como o jogo pode parecer desajeitado; O movimento de Amicia é afetado e meticuloso, enquanto a roda de "armas" é complicada. A apresentação é sublime às vezes, com sua trilha sonora adicionando muito ao clima da experiência - mas ela simplesmente não tem aquela camada final de polimento que seus pares possuem, resultando em bastante instabilidade, repetitividade e constantes saídas da imersão.

Conclusão

A Plague Tale: Innocence merece respeito por ousar ser diferente, conduzindo você por um cenário europeu sombrio que raramente é visto. Apesar de algumas ideias interessantes, porém, a furtividade e a mecânica do quebra-cabeça se arrastam, e a história não consegue se decidir sobre o que quer ser. Além disso, embora a apresentação seja espetacular, o projeto carece de polimento em áreas-chave e não raramente nos tira dos momentos de imersão por falhas que poderiam muito bem ser tratadas.