fegarusso 05 / 07 / 2020

Cabelos de fogo no meio da neve

Publisher: Sony Computer Entertainment
Developer: Guerrilla Games
Gênero: Action RPG, Action, Adventure (RPG de ação, Ação, Aventura)
Plataformas: PlayStation 4, Microsoft Windows

Triunfo na neve

Se não fosse por algumas franquias da Nintendo fazendo o que elas fazem de melhor, Horizon: Zero Dawn seria o vencedor de prêmios Game of the Year em todo o mundo. Embora essa frase de abertura possa parecer negativa, é tudo menos isso: quem poderia prever que a Guerrilla Games se recuperaria e sairia de Killzone com essa maestria? A aventura inaugural de Aloy foi um triunfo na criação de mundo, storytelling e no design de combate, e, embora às vezes caísse nas armadilhas tradicionais do mundo aberto, ainda tinha personalidade mais que suficiente para se destacar em um gênero dominado por mais do mesmo.

Frozen Wilds vê a desenvolvedora holandesa retornar à sua IP pós-pós-apocalíptica para obter um bom pacote de expansão e serve mais do que suficiente ação tribal para satisfazer até o apetite do caçador de robôs mais sedento. Situado no nordeste do mapa principal no território nevado de Banuk, conhecido como The Cut, o enredo adicional vê Aloy mais uma vez envolvida na política local, enquanto o povo enfrenta uma nova ameaça à sociedade por meio de um vulcão em erupção chamado Thunder Drum. Cabe à nossa estrela de força de vontade inabalável resolver os problemas - e aprender uma coisa ou duas sobre o mundo em que ela habita no processo.

Inimigos poderosos

Embora você possa pegar a nova linha de missões no meio da campanha principal, isso não é realmente recomendado. Esta é uma parte difícil, com alguns dos inimigos mais ferozes que você já enfrentou. Antigos favoritos retornam na forma daemônica, possuídos e mais agressivos do que nunca, enquanto a aspersão de novos rostos fará com que você queira chorar. Em particular, o Fireclaw - um novo monstro brutal que se assemelha a um urso - levará suas habilidades de combate ao seu limite, e você precisará se valer de toda sua lista devastadora de armas na esperança de derrubá-lo.

Felizmente, você encontrará algumas ferramentas novas para ajudá-lo nessa empreitada. Um trio de novos equipamentos com poderes elementares de gelo, fogo e eletricidade são as principais novidades e podem ser aprimoradas ao completar missões de busca específicas. Também existem versões altamente atualizadas de alguns dos melhores arcos do jogo principal, mas você precisará coletar Bluegleam (uma nova moeda) para negociá-lo.

Missões melhoradas

Desta vez, as missões são muito mais gratificantes, com uma quantidade de desbloqueios e atualizações constantes do início ao fim. Infelizmente, parece que a Guerrilla está um pouco perdida com o que adicionar: há uma nova Skill Tree, mas a maioria dos desbloqueios oferece atualizações inconseqüentes à sua aventura, como 20% de espaço adicional no inventário ou a capacidade de saquear enquanto você está montado . É legal que o desenvolvedor tenha se esforçado, mas você definitivamente tem a sensação de que há pouca novidade nesse quesito.

Não que se trate de falência criativa. O enredo é bem contado e complementa a campanha e, embora caia em alguns clichês narrativos, é totalmente agradável e divertido. Além disso, desta vez, várias missões secundárias parecem ainda mais interessantes, com membros do elenco de apoio melhores e design variado - um até lembrando bem de Uncharted com um ajudante de IA que o acompanha durante todo o processo.

A continuação de uma obra prima

E artisticamente, The Cut é, bem, um corte acima. A Guerrilla realmente foi se superou com sua tecnologia de nevasca, que contrasta os ambientes hostis do inverno com o pôr do sol brilhante que segue até as auroras coloridas do arco-íris. A nova paisagem não é enorme, mas é cheia de imaginação: um sistema de filtro de água subterrâneo instalado pelos Antigos é alavancado como um instrumento musical improvisado pelo Banuk, enquanto o próprio vulcão lança um pouco mais de luz sobre os principais ritmos narrativos. Por mais deslumbrante que tudo isso pareça, inegavelmente, a trilha sonora se destaca mais uma vez, liderada por uma excelente música eletrônica que realmente define o tom.

Você levará 15 horas para vencer as novas linhas principais e, francamente, estará olhando para mais perto da marca de 20 horas se quiser se envolver com toda a atividade que há para fazer. Algumas repetições são um pouco chatas, e reunir novos itens colecionáveis - apesar de terem uma base narrativa - é cansativo, mas qualquer desculpa para permanecer neste mundo um pouco mais é bem-vinda, enquanto aguardamos o lançamento da sequência dessa IP incrível.

Conclusão

Horizon: Zero Dawn fornece um lembrete oportuno de por que deveria ter sido ganhador de Jogo do Ano com The Frozen Wilds. Essa seleção considerável de missões se expande em uma campanha já excelente, com um novo enredo decente e muita coisa nova. Embora seja, por sua própria natureza, mais do mesmo, é difícil reclamar quando as fundações já são tão fortes e boas.