Artigos

PORQUE GAMERS VIAJAM MELHOR?

“Vídeo Games estimulam uma maneira de pensar que permite que a criatividade floresça.“ – Nolan Bushnell

By Natália Mattos

Não é a primeira vez que ouvimos que jogos de videogame melhoram a memória e a coordenação motora. Porém em minha última viagem percebi que gamers na verdade, podem ter uma vantagem ainda maior na hora de viajar.

ESTABELECER E PRIORIZAR OBJETIVOS


Todo jogador de videogames possui pelo menos uma habilidade básica em reconhecer e estabelecer metas. Afinal, é assim que a maior parte dos jogos funciona!

E é uma prática importantíssima na hora de viajar, principalmente quando o destino é fora do Brasil. Do contrário a pessoa pode acabar desperdiçando um tempo precioso tentando se organizar, enquanto os lugares que aproveitaria mais ficam em segundo plano, ou não são nem visitados.

Mas jogadores de vide game sabem priorizar, reconhecer objetivos principais e secundários, e agir de acordo.

ANÁLISE DE MAPAS

Viajantes estão sempre com um tipo ou outro de mapa na mão. Se não é o Google Maps, está com um mapa de museu cheio de números com diversos significados. Mas se tem algo que todo Gamer entende, é de mapas!

Se encontrar no mapa e entender o que precisa fazer para chegar ao seu destino é inclusive, coisa de principiante. E uma clara vantagem na hora de se achar em uma cidade ou local que está visitando pela primeira vez.

GAMERS PENSAM RÁPIDO

Quem nunca se pegou em um ambiente novo, lotado de pessoas, onde o caos parece reinar absoluto? Agora adicione umas vinte línguas diferentes sendo utilizadas por esse pessoal, e vendedores ambulantes que decidiram te vender algum objeto aleatório que você com certeza não precisa. Para quem vive em cidades grandes esse cenário pode até não parecer muito impactante, mas quando estamos em países diferentes essas situações são sempre um pouco mais intimidantes.

Mas aqui também a experiência com jogos vem para ajudar. Porque jogadores sabem pensar muito rápido, fazer decisões de último minuto, e quando as coisas não dão certo, sabem ir para o ponto original e tentar de novo.

CRIATIVIDADE.

Criatividade, para mim, é a diferença entre vivermos em preto e branco ou com todas as cores possíveis e as zilhões de imaginárias. E é claro que não são apenas jogos de videogame que vão estimular essa habilidade, mas com certeza é uma das maneiras de nos deixarmos mais conectados com a imaginação.

E na hora de conhecermos uma ruína ou templo antigo, estarmos conectados ao nosso imaginário permite que a experiência seja muito mais incrível.

Ouvir que o Coliseu foi banhado de sangue de animais e humanos me fez pensar imediatamente na textura da areia, no barulho ensurdecedor que deveria rodear estes eventos, no suor daqueles que estavam esperando para lutar embaixo do Coliseu, em lugares abafados, onde podiam ver o sangue pingando na sua frente.

E não são apenas as pedras e monumentos que ganham vida. Ao ver um quadro pensamos imediatamente na história do pintor, e ao ver uma escultura um gamer pode ficar até meio desconfiado, esperando ela ganhar movimento a qualquer momento, onde claramente ele vai ter que lutar com ela utilizando as armas dispersas no local.

Enquanto a história sobre banheiros públicos sendo utilizados como ambientes sociais me fizeram tentar pensar imediatamente em Qualquer outra coisa, a imaginação e criatividade são em todos os outros momentos companheiros fiéis, que vão apenas enriquecer e transformar sua vivência. E neste ponto mais do que qualquer outro que citei por aqui, gamers possuem absolutamente uma grande vantagem.

*As opiniões retratadas acima são de inteira responsabilidade do autor do texto, não retratando a opinião do site.

  • Gabriel Reis

    Bom texto Natália!. Apenas transcrevendo essa ideia pro meu dia a dia: na área cirúrgica existe as técnicas videolaparoscópicas (por vídeo) e robóticas – já foi provado que quem tem o costume de jogar videogame se adapta muito mais fácil a essas novas técnicas cirúrgicas. Interessante não? Até que enfim minhas +800 de Counter-Strike vão adiantar pra alguma coisa.
    Abraço!