PlayerCast

PlayerCast #211 – INDIEpendência ou Morte!

Ao viajar de Santos para São Paulo, D. Pedro recebeu uma carta da Coroa Portuguesa que exigia seu retorno imediato para Portugal e anulava a Constituinte. Diante desta situação, D. Pedro deu seu famoso grito, as margens do riacho Ipiranga: “INDIEpendência ou Morte!”

Venha com Master Muller e Victor com os convidados Alexandre Romero, do site WannaPlay, e Ricardo, do Nautilus vão falar sobre as obras de arte dos video-games, conhecidos como INDIEs!

Arte da vitrine: Victor
Edição de áudio: Master Muller

Contribua em nossa Plataforma de Financiamento:
Participe do Grupo de Ouvintes do Player Select:
Feed do Player Select:
  • Acesse o Feed do Player Select
  • Nos acompanhe pelo iTunes
Emails:
Redes Sociais:
  • Darley Santos

    Bastante proveitosa a discussão! Jogos indies são uma coisa muito século XXI, é reflexo da reviravolta que o mundo digital causou na estrutura das coisas em geral. Mas realmente chega um ponto em que as coisas começam a se confundir, e fica difícil até definir o que é indie… Nunca consigo desassociar a ideia de algo alternativo ou underground com Indie, tá impregnado, por mais complexo que o conceito vá ficando com o tempo! E de fato, revela uma grande força de criatividade e inovação essa seara, parece que mais livre e menos sujeita a certas coisas, ditames ou pressões… Vocês lembraram de Minecraft, é incrível como tem coisas que parecem acontecer no momento e da forma certa hahaha! Eu gosto sempre de lembrar do caso de Journey, um exemplo ilustre!

    • Victor Andeloci

      Acho que associar Indie com “Alternativo” ou “Underground” é correto. Embora hoje tenhamos grandes empresas e distribuidoras por trás, o “sentimento indie” ainda está lá… e de onde mais viria essa inovação e esse risco tomado senão de uma garagem ou um quarto de adolescente? 🙂

  • O Catedratico [Player Select]

    Que cast fabuloso. Aprendi muito ouvindo vcs. Eu que não saco nada de indies. Mas devo dizer que o primeiro indie que me pegou foi “Brothers A Tales two suns”. É de chorar. E um otimo exemplo de como a jogabilidade é utilizada para fortalecer a narrativa. Coisa que quem apenas olhou pelo youtube não vai sentir.

    Parabéns a todos.

    • Victor Andeloci

      Realmente, o Brothers é um ótimo exemplo de uma aposta bem arriscada na jogabilidade em prol à narrativa… e vlw!