Análise de Games

Análise – Life is Strange

Ps_Análise_01*As opiniões retratadas abaixo são de inteira responsabilidade do autor do texto, não retratando a opinião do site. Esse texto não contém spoilers do jogo.

Por Daniel Danlost

Life is Strange pode ser considerado a maior surpresa do ano nos games até o momento, pois o game apesar de parecer clichê, com seu formato episódico e clima adolescente sem profundidade, nos surpreende ao abordar assuntos pesados e de maneira bem correta, sem apelação ou covardia, porém o game ainda sim, tem seus defeitos, o que não tira seu mérito de ser um bom jogo. Vamos aos fatos.

Primeiramente gostaria de fazer dois adendos, o primeiro é que eu praticamente não joguei Life is Strange, na verdade, por ser um game no formato “História Interativa”, deixei que minha esposa, que não é habituada a games, jogar, e fui ajudando em algumas partes e acompanhando a progressão do game, portanto, pelo estilo adotado no game, não vejo problemas em falar sobre o mesmo, já que acompanhei ele do inicio ao fim, inclusive interferindo nas escolhas do jogador.

O segundo adendo é sobre a Dontnod Entertainment, empresa que foi criada por ex-membros da Ubisoft, EA e Criterion, que foi criada em 2008 e é a desenvolvedora do jogo, esse é o segundo projeto deles, em 2013 eles lançaram Remember Me, projeto que tinha excelentes ideias, que também mexia com viagem no tempo, mas que por diversos motivos, dentre eles problemas no desenvolvimento, e na relação com a Capcom, que fizeram o game ficar praticamente incompleto, com algumas decisões estranhas, e com isso não emplacar.

Porém eles agora, sobre os cuidados da Square (quem diria, hein?), voltam com algumas ideias de Remember Me, um orçamento mais apertado, e pegando a onda de jogos episódicos, mas com uma proposta bem diferente do comum.

Life is Strange é uma história adolescente, onde estamos no papel de Max, uma garota meio hipster, mas muito carismática, que anda pra todo lado com uma câmera fotográfica, e tira ótimas fotos, e volta para sua cidade natal, porém num dia comum, tem um pesadelo com um tornado que viria a destruir sua cidade, e nesse mesmo dia presencia a morte de uma menina e ainda descobre que tem o poder de voltar no tempo e resolver tudo isso. Que loucura né?

The-Witcher-3-Wild-Hunt-8Esses adolescentes, hein. Fonte: Life is Strange

Porém nem tudo é tão simples, o game apesar de mostrar um clima ameno, de uma escola repleta de adolescentes e seus temperamentos típicos, e vai aos poucos apresentando personagens com profundidade e varias outras histórias paralelas que terão enorme importância na proposta do jogo, como sua melhor amiga, Chloe que é cheia de problemas, e até meio chata de inicio, mas depois que você conhece a história dela, se apega a personagem, tem o filhinho de papai que manda em tudo por ser de uma família rica, e até sobre uma ou ainda uma menina religiosa que sobre bulling, e acredite, o jogo vai muito alem do que estou dizendo, sem detalhes para evitar spoilers. O jogo é também um mar de referencias, Efeito Borboleta, Arquivo X, Power Rangers, tem até um Whatsapp genérico no game e muito mais.

Acredito que Life is Strange seja talvez, o jogo que mais vale a pena ter jogado conforme os episódios foram lançados, apesar de demorar quase um ano para o jogo se completar, o episódio 1 saiu em 30/01/2015 e o episódio 5 saiu dia 20/10/2015, o game, diferente dos jogos da Telltale, não se preocupa em te dar situações emergenciais e chocantes, embora ele faça isso de uma maneira diferente e impactante.

O jogo começa num ritmo lento que pode parecer meio chato para muitos, mas que após alguns episódios você percebe ser importante para te apresentar cenários, situações e personagens e sua profundidade necessária para tomar decisões. As decisões aparecem a todo o momento, e mais servem pra te questionar sobre situações tensas e que não vemos em games, do que pra fazer diferença no final do game.

O jogo tem como maior mérito te surpreender com situações inesperadas abordando temas importantes e atuais, e ele faz isso muito bem, exploração sexual, bulling, suicídio, amizade, invasão de privacidade, eutanásia e muitas outras coisas, com uma pitada de mistério que só se resolve no final do game.

The-Witcher-3-Wild-Hunt-8Acho que deu ruim! Fonte: Life is Strange

Não posso deixar de falar da trilha sonora do game, ela aparece nos momentos primordiais e da todo o clima do game, muitas das musicas eu não conhecia e agora escuto no celular, excelente.

O jogo tem todo esse mérito, mas tem problemas, é visível que a Dontnod não teve tantos recursos para utilizar no game, embora eu perceba que a cada episódio tanto no visual quanto nos diálogos e uma melhora (exceto episódio 5), ou seja, o visual do game não é nada demais, os personagens não tem expressão e no começo alguns diálogos podem parecer até meio bobo, assim como grande parte do episódio 5 onde eles tentam fazer coisas novas, e que a meu ver, não tem nada a ver com o jogo, e alguns puzzles principalmente nos episódios 1 e 2 são meio cansativos (malditas garrafas), além de tornar o maior elemento de jogo, (de novo no episódio 5) que é a viagem no tempo algo mais banal. Eita, esqueci de falar sobre esse recurso da viagem no tempo.

Como disse anteriormente, o game traz como maior elemento de gameplay um recurso que muita gente utiliza nos jogos com foco em decisões que é refazer alguma escolha (que feio, hein), porém em Life is Strange esse elemento esta dentro do jogo e funciona muito bem, em qualquer acontecimento ou dialogo você pode voltar no tempo e ver como aquela cena se resolveria caso respondesse ou agisse diferente, isso é muito legal, e implica em diversas situações e possibilidades para o jogo, e é primordial para o enredo, porém, acredite, não será esse recurso que lembrará quando pensar em Life is Strange, talvez por isso tenha esquecido de citar ele, e isso é um mérito do jogo, fazer com que seu principal recurso de jogabilidade seja secundário perto de abordagens e personagens apresentados.

The-Witcher-3-Wild-Hunt-8Uma selfie, pra fechar? Fonte: Life is Strange

CONCLUSÃO

Life is Strange é um jogo simples, que em diversos momentos te coloca em situações que vai te questionar e fazer refletir sobre a sua vida, e embora tenha falhas e não seja um grande game nos quesitos técnicos, ele brilha por saber o que é e onde pode alcançar, com certeza é um dos jogos destaques do ano, e uma referencia para jogos episódicos que estavam cansando, ainda bem que Life is Strange surgiu como uma brisa para esse tipo de jogo, vou ficar de olho no que a Dontnod Entertainment vai fazer a partir de agora.
Não vejo a hora de conversar sobre as decisões do jogo, afinal, a cada dia que passa vejo que realmente a vida é estranha.

Life is Strange
Dontnod Entertainment / Square Enix

*Life is Strange está disponível para Xbox360, Xbox One, PC, PS3 e PS4.