Análise de Games

Análise – God Of War, o Bom da Guerra.

Passado ficou para tras e ele só quer uma casa no campo para curtir seus discos e livros. Mas a guerra sempre persegue. E está em seu sangue!

Por Marlos Sanuto

Desde o encerramento de God of War III, os fas estão apreensivos com oque aconteceu com Kratos e os rumos que a sua jornada poderia tomar. Já que com o final apocaliptico do terceiro jogo, poucos poderiam imaginar oque aconteceria a seguir. A Santa Monica Studios tentou deixar essa espera mais amena com God Of War: Ascencions e God of War 3 Remasterizado. Mas obvio que a legião de fas havidos por sangue, violencia e porque não, um pouco de conhecimento mitologico, não ficariam satisfeitos. E na E3 de 2016 foi anunciado um God Of War 4 totalmente remodelado. Com Kratos mostrando que, não apenas tem mais que 3 frases em seu vocabulário, e também que ele iria para mitologia nórdica.

Pronto, o hype está montado. E por mais que tenhamos visto trailers que mostravam pequenas coisas, nada nos prepararia para oque viria a seguir.
Kratos, mais velho e intimista

O novo game acompanha uma jornada de Kratos e Atreus, o filho do nosso querido e já conhecido deus da guerra. Que até então era um mistério. O game não desconsidera tudo oque passou na franquia. Mas claramente tenta ser o inicio de uma nova jornada como reboot.

Apesar de muito se falar da mudança no estilo de batalha, eu pessoalmente encontro mais semelhanças doque diferenças com o estilo hack n Slash. Uma mudança clara é a camera. Que deixa de focar no cenário e arena para focar próximo as costas do nosso herói. E as diferenças pelo menos até onde joguei terminam ai. O sistema de combos e golpes continuam desenfreados no quesito movimentação. Porem ainda devem ser usados com certa estratégia. (Do latim strategi, do grego strateegia… e toda aquela piada sem graça que ja conhecem…) Mas quando acerta o inimigo a física do jogo fica bem maluca, com o corpo quicando e flutuando enquanto toma os golpes.

Obvio que é uma característica mantida do citado hack n slash. Mas me incomodou pois o próprio jogo se vende como algo diferente e próximo da realidade gráfica. E o inimigo sofrendo dano dessa forma cartunesca me tira dessa realidade. Outro aspecto é o machado mágico. Que serve tanto como arma de batalha quando para exploração. Quando utilizado para ataque longe é bem mais eficiente e pode ser usado repetidamente sem grandes variações e alguns inimigos nem tem defesa contra isso. Até onde joguei não notei um variação de movimentos mais scriptados, que premiem a variação de seus ataques.
Combos evoluem no decorrer do jogo. Mas a fisica ainda remete aos rack n slash

Uma característica dos jogos antigos que também da as caras é a batalha em arena com inimigos minions. Onde sua progressão depende apenas de derrotar todos e seguir para próxima arena.

As chamadas Boss Fights são um primor. É onde o jogo cresce. Mesmo não tendo inimigos gigantescos como ja é tradicional na franquia, as batalhas escalonam a neveis épicos. Cada boss necessita de um estudo de técnica e uma estratégia diferente. Oque não poupa o nível de dificuldade. Que alias é uma coisa boa. Nessas batalhas realmente o desafio é recompensador.

A parte RPG do é bem resolvida. No menu de armas e habilidades existem boas opções de vestimentas que lhes dão diferentes atributos. Alem de deixar o visual de Kratos e seu primogênito mais estiloso. Atributos como Rúnico e Sorte dão um aspecto mais imprevisível ao que os aguarda e como se preparar.
Itens e armaduras podem mudar estetica e atributos de ambos os personagens

HISTORIA

A historia é mais densa e intimista. E considera tudo oque aconteceu anteriormente. Mas sem deixar perder o ar reboot conceitual a saga. Passaram-se alguns anos dos eventos de God of War 3. Kratos está mais velho e tem esposa e filho. O game começa com a morte dessa esposa. E Kratos precisando lidar com sua própria paternidade quando é forçado a entrar em uma jornada com seu filho Atreus. Não da pra negar que a formula: “Adulto com criança em uma road trip onde ambos aprendem uma nobre lição”, está cada vez mais sendo explorada em diversas mídias. Isso é natural e não cria demérito algum. A utilização de sistemas que dão certo, como recompensar a exploração em um mundo semi aberto, ou historias secundarias bem escritas, dependem muito mais de como são implementados e de como o publico se empatiza com os personagens. Está tudo la. Mas o quão será bom dependerá de como isso faz você se conectar a jornada.

Atreus e Kratos são obrigados a interagir com cenarios gigantescos

GRAFICOS E TEXTURAS

Os gráficos e texturas estão ótimas. A palheta de cores é muito bem utilizada na mudança de ambientes e temperatura. As interações com o cenário principalmente nas batalhas deixa tudo mais verossímil. Porem uma resalva que salta aos olhos é a péssima qualidade da agua e fisica do bote e do Atreus em momentos pontuais. Logo no inicio do jogo quando eles andam no barco a água não interage em momento algum com a lateral do bote e o mesmo se movimenta como se estivesse em trilhos com movimentos perfeitos e sem sofrer resistência alguma do ambiente. Toda física dos saltos e pulos ficaram bem zoadas. Pasta observar bem. Atreus em certos momentos parece um Elfo. Sem peso algum. Ao caminhar seus pés deslizam no chão como um moomwalker bizarro. Falhas que em um jogo de 2018 não dá pra ter.
Combates em arenas com inimigos minions estão presentes mas não chegam a travar o ritmo da historia

CONCLUSÃO

Mesmo com a expectativa alta o diretor do jogo Cory Barlog enfrentou algumas criticas de fas antigos com por meio da hastag “esse não é meu GoW”. Mas apos o lançamento vimos que é um jogo bem sólido e com exigentes avaliações da critica. Cory Barlog chegou a se emocionar com algumas. E sim! É um grande jogo. Aguardado. O texto e dialogos expositivos estão exelentes. Quase poeticos. E com muita expectativa e pressão para ser Goty como sempre ocorre com GoW. Se ele realmente cumpre oque promete só terminando pra saber. Mas independente disso é um ícone dos games que está de volta. E só isso já é motivo para comemorar.

God of War IV
Santa Monica Studios

* God of War está disponivel para PS4 e PS4 Pro