Análise de Games

Análise – For Honor

“Apesar de não ser brilhante, For Honor entrega o prometido, e amplia o universo do e-sport com uma ideia original e bem executada”

Por Andrews Reis

Lembro como se fosse ontem, de estar na escola discutindo com meus amigos quem venceria um duelo entre cavaleiro medieval e samurai, e porque o vendedor seria o samurai. Sempre fui daqueles que consideravam os samurais guerreiros invencíveis… acho que muito disso veio do anime Samurai X, mas isso não importa. O que importa é que meu professor de História destruiu meus sonhos quando me disse que os samurais e os cavaleiros nunca se enfrentaram… e nem ao menos tinham convivido, pelo menos não no ápice militar de ambos.

Contudo, a Ubisoft resolveu consertar este erro crasso da História humana, e colocar frente a frente 3 dos maiores guerreiros da humanidade. E For Honor é o produto que veio para definir quem, de fato, venceria em um combate corpo a corpo: um Cavaleiro Medieval, um Guerreiro Viking, ou um nobre Samurai?

Mas do que se trata For Honor? É um jogo multiplayer de combate estratégico, onde o jogador pode escolher entre os três diferentes guerreiros acima citados, e precisa combater seus adversários com muita estratégia, tática e sem afobação.

COMBATE

O combate criado em For Honor é único, e muito bem feito. Existem dois tipos de inimigos: minions e outros heróis. Os minions estão presentes no jogo para te dar sensação de poder. Não oferecem nenhum desafio, mesmo que você seja cercado por dezenas dele. Os outros heróis são o verdadeiro desafio. Contra eles, existe a mecânica de travar a mira, e duelar 1×1. E para derrubar seu adversário é preciso prestar bastante atenção. No combate, existem três instancias: cima, esquerda e direita.

A instância é a posição que o guerreiro segura a arma, e define o lado que será realizado o golpe de ataque. Para realizar um bloqueio, é preciso usar a mesma instância que seu inimigo, e além disso existe uma barra de stamina que define a quantidade de ataques/desvios que o jogador pode fazer antes de se cansar. Portanto, é preciso ficar atento à stamina, e aos seus adversários, o que torna o combate extremamente estratégico.

GRÁFICOS

Os gráficos deste jogo são impressionantes. A ambientação de guerra, os fortes destruídos, os fogos, o dia e a noite, tudo é visualmente impressionante. A escolha de colocar máscaras em todos os heróis selecionáveis fez bem para o jogo, visto que o rosto não importa na guerra, e assim os heróis chamam a atenção por suas armaduras, detalhes de cicatrizes, e adornos. Em resumo, tudo relacionado a arte do jogo está de parabéns.

CAMPANHA

O modo campanha não foi o que eu esperava. O modo campanha acabou sendo um grande tutorial prolongado, que te dava dinheiros do jogo para abrir mais personagens. A história em si até parecia interessante, mas a forma como a campanha foi executada a tornou difícil de apreciar.

Durante o desenrolar dos capítulos, você é apresentado ao ponto de vista dos Cavaleiros, dos Vikings e dos Samurais. O jogo toma cuidado para não desequilibrar, e agradar a todos, independentemente do seu clã favorito. Os personagens apresentados são bastante carismáticos e únicos, o que agradou. Mas o grande defeito são os desafios ao longo da campanha, que são extremamente repetitivos, e cansam em pouco tempo.

ONLINE

Existem dois modos online: um onde os heróis combatem entre si, em duelos 1×1, e o objetivo é eliminar toda a equipe adversária; e o outro modo online é o clássico capture the flag, onde o mapa é maior e possui 3 territórios que precisam ser conquistados. O objetivo do time é dominar os territórios por mais tempo, fazendo assim mais pontos e vencendo o jogo. O online é o coração do jogo, e por isso eu fico feliz em dizer que o jogo fez muito bem o que precisava.

Mas temos que fazer algumas ressalvas: ocorreram diversos problemas de matchmaking e dessincronização durante as partidas online, principalmente no PC. E isso desagradou a muita gente. Contudo, é importante salientar que a Ubisoft está trabalhando para corrigir todos estes problemas, e está liberando diversos patchs para isso. Portanto devemos esperar que, assim como The Division, o jogo For Honor melhore e muito ao longo do tempo.

CONCLUSÃO

Após analisarmos o que foi prometido, e o que foi entregue, ficamos muito satisfeitos com o resultado final de For Honor. Apesar de não ser brilhante, é legal ver a Ubisoft apostando em ideias novas, principalmente em um mundo onde o cenário competitivo de e-sports cresce cada vez mais.

Além de uma jogabilidade de combate extremamente gostosa, For Honor nos possibilita questionar uma das maiores questões universais: quem foi o maior guerreiro da humanidade, o Cavaleiro Medieval, o Guerreiro Viking ou o Samurai!

For Honor
Ubisoft

* Watch Dogs 2 está disponível para PS4, Xbox One e PC