Análise de Games

Análise – FIFA 17

Novo lançamento da EA Sports, FIFA17 foi muito esperado, e toda essa expectativa se apoiava em uma arriscada promessa de reformulação total. Começando pela engine: ponto chave desse lançamento, a FrostBite é o carro chefe dessa reformulação juntamente com o modo Jornada.

Por Marlos Sanuto

Jogabilidade

Segundo informações da equipe EA Brasil, todos os códigos foram reescritos do zero. As mecânicas básicas pouco mudaram, mas a plasticidade dos movimentos teve uma grande evolução. O jogo ficou mais cadenciado e com menos velocidade. Porém, a revolução gráfica prometida pela Frostbite ainda não chegou, mesmo após a primeira atualização no último domingo. Mas as movimentações e desenvolturas dos jogadores estão incríveis.

Dos times da série A do Brasileirão, apenas Flamengo e Corinthians ficaram de fora. Infelizmente a culpa disso é exclusivamente dos próprios clubes, visto que ambos assinaram acordo de exclusividade com o concorrente PES, da Konami. Conversando com Gilliard Lopes, game designer brasileiro produtor da série FIFA, soubemos que foi escolha da EA não fazer uma escalação com jogadores genericos no lugar de Flamengo e Corinthians. Para a empresa, não faz sentido prejudicar o caráter de simulação do jogo. Daí a preferência em descartar. (mas devo dizer que um flamengo com Castolo, Allejo e Miranda é tudo que eu queria).

O futebol feminino permanece, mas sem muito alarde ou campeonatos próprios. Contudo é muito gostoso de jogar, a movimentação e domínio de bola são bem diferentes, assim como o próprio futebol feminino. A habilidade individual faz muita diferença perante a parte técnica, principalmente das goleiras.

Modo Jornada

Desenvolvido nos últimos 19 meses com a ajuda de jogadores reais como Harry Kane e Anthony Martial, este modo inédito é a primeira experiência de história na franquia do FIFA. O diretor de criação Matt Prior ficou à frente do projeto, que contou com uma grande equipe de compositores, roteiristas e atores reais incluindo Tom Watt, que escreveu a autobiografia de David Beckham.

A inovação está justamente em dar ao jogador a experiência de viver uma carreira profissional dentro e fora dos campos. Joguei o modo jornada 2 vezes e posso dizer que até aqui é uma das melhores coisas do FIFA17. A trilha e o roteiro são envolventes principalmente pelo fato de ser uma história basicamente de amizade, que tem o futebol como pano de fundo. Vários elementos narrativos são inseridos e funcionam muito bem enviesados para criar empatia com o protagonista Alex Hunter. Um jovem garoto negro do norte da Inglaterra que busca seus sonhos futebolísticos ao lado de seu melhor amigo Gareth Walker.

Vários elementos como o legado de família, ou o fato de ser um negro e um caucasiano dentro de um universo disputado como o futebol, são pratos cheios para quem gosta de histórias de drama e superação. Soma-se a isso um sistema de carma e decisões que envolvem empresários, contratos e disputa de patrocínios milionários. Você terá a receita de uma historia envolvente e cativante.

Fifa Ultimate Team (FUT)

“Se você é uma pessoa adulta com responsabilidades ou afazeres, é altamente recomendado que se afaste desse modo de jogo”

Que o modo FUT é um sucesso viciante sugador de almas, todos nós já sabemos. Mas o que já era bom, ficou ainda melhor. Todo o sistema de montagem de times que você conhece continua lá, agora acrescidos de desafios de montagem de escalação. A princípio, a ideia parece ser uma espécie de tutorial disfarçado, uma vez que para alguns, a curva de adaptação à nova movimentação precisa de um tempo. Aconselho a usar os modos off-lines e vencer os torneios mais simples até se acostumar e ao mesmo tempo acumular umas moedas.

Dentre as novidades estão os próprios desafios de elenco ou de técnico, e mais jogadores por empréstimos. E quando você tem 2 jogadores repetidos o tempo de contrato é unificado. Afinidade por sistema tático caiu. E o app mobile, que não é novidade, dessa vez funciona muito bem. Outra dica importante é salvar 2 ou 3 elencos de acordo com sua necessidade e exigência de entrada nos torneios.

CONCLUSÃO

Fifa 17 é sem dúvida o melhor jogo desde o FIFA 15 – aliás, reza a lenda que os números ímpares são os melhores –  o que faz certo sentido, se pensarmos que o FIFA é uma série anual, e que a cada 2 anos, ele chega com mudanças fortes. E mesmo no topo dos simuladores de futebol, ainda se permite experimentar e se recriar do zero, de forma corajosa. O que legitima mais ainda seu sucesso.

Pontos positivos: a jogabilidade. Mesmo com uma curva de adaptação maior, é muito gostoso de jogar. Uma manteiga. E muito menos frustrante. Hoje você sente que tem muito mais controle sobre as ações do jogador e está menos exposto ao acaso. A dupla Thiago Leifert e Caio Ribeiro continuam narrando com todo seu charme. Inclusive o modo Jornada.

Pontos negativos: ainda é a parte gráfica. Não é ruim, mas quando comparada com seu concorrente, nota-se bem a diferença. Algumas “features” foram retiradas como o reconhecimento de voz compativel com kinect. E o Game Face que foi retirado do jogo, sabe-se lá o porquê!!!

Jornada está excelente, embora eu esperasse mais do roteiro, pelo background apresentado do personagem. Mas pode ser “pelo meu estilo de jogo Hunter marrento”, onde dei todas as respostas “erradas”. Outra pessoa pode ter outra experiência com outro desenrolar, talvez.

FUT melhorado e com recompensas melhores.

Modo carreira com técnico tem novidades. Cutscenes de técnicos reais e selecionáveis. E uma administração onde reformas e escolhas de patrocinadores fazem a diferença no patrimônio do seu clube.

Enfim, sem fanboismo, é o melhor e mais completo FIFA que já joguei. Abre belas portas para o que vem por aí. Na minha opinião abre um lastro grande para uma melhora gráfica real, uma vez que é o principal ponto em que seu concorrente arcade está na frente.

FIFA 17

EA Sports

* FIFA 17 está disponível para PS4, Xbox One e PC

  • Darley Santos

    Um novo marco, huh.